0

Conheça a nova arma aprovada no combate da obesidade

16/03/2016 21:24 - Dr. Frederico Rangel

Nos últimos anos, observamos um maior acesso a alimentos hipercalóricos  associados com um estilo de vida cada vez mais sedentário. Como conseqüência, a obesidade tem atingido níveis epidêmicos em crianças, tanto em países desenvolvido, quanto em desenvolvimento. O excesso de peso associa-se com a chamada síndrome metabólica: a junção da obesidade visceral, disglicemia, dislipoproteinemia e hipertensão arterial. 

A perda de peso, portanto, além da melhora no bem estar geral, é capaz de reduzir o risco de diabetes, hipertensão e dislipidemia justificando um grande beneficio cardiovascular a médio e longo prazo. No entanto, o tratamento para a obesidade muitas vezes tem se mostrado aquém do esperado, pois poucos pacientes perdem peso de uma maneira sustentável.

Nos últimos anos, nos deparamos com a utilização de novas medicações no controle da diabetes mellitus, os quais objetivam uma melhora da glicemia associada com perda de peso. A liraglutida é uma medicação análoga ao hormônio GLP1. Este hormônio é liberado no ílio e colón atuando através da redução do glucagon e estimulação da liberação de insulina de maneira glicose dependente, melhorando a glicemia pós pandrial. Além  disso, reduz esvaziamento gástrico e induz a queda do apetite favorecendo perda ponderal.

O efeito adicional benéfico da liraglutida na perda de peso em pacientes diabéticos chamou a atenção para a possibilidade da sua utilização com o objetivo primário de induzir a perda de peso, mesmo em indivíduos não  diabéticos. Ou seja, surgia uma nova arma em potencial no combate à obesidade.

A liraglutida é administrada de forma subcutânea uma vez ao dia. A dose para o tratamento de diabetes varia de 1.2 a 1.8 mg/dia, porém  foi observado que em doses maiores (ate 3 mg/dia) a perda de peso é mais acentuada.

Em 2015, foi lançado no New England Journal of Medicine um estudo considerado um divisor de águas. Foram avaliados 3731 pacientes não diabéticos que possuíam índice de massa corporal maior que 30 ou 27, caso associado com hipertensão ou dislipidemia. Os pacientes foram encorajados a praticar dieta e atividade física regular objetivando perda de peso, porém  uma parte dos pacientes receberam liraglutida 3 mg/dia.

Após 56 semanas, houve no grupo placebo uma perda de 2,8kg versus 8,4kg dos pacientes que utilizaram a liraglutida. Quando foi avaliada a perda maior que 5% do peso, esta ocorreu em 27,1% do grupo placebo versus 63% do grupo da liraglutida. Já a perda de peso maior que 10%, ocorreu em 10,6% do grupo placebo versus 33,1% no grupo da liraglutida.

É evidente que mais estudos a longo prazo são necessários para avaliar os possíveis riscos colaterais e melhor conhecimento dos efeitos após uso prolongado. Porém, devido aos índices alarmantes mostrando a absurda prevalência da obesidade, fica evidente que a liraglutide em doses de ate 3mg/ dia é uma arma extremamente útil no combate dessa doença.  A recente aprovação da ANVISA para uso no Brasil evidencia esse pensamento.

Vale destacar a importância absoluta da modificação do estilo de vida, representada por uma alimentação mais saudável e pela prática regular de atividade física na perda sustentável de peso. Esta ainda é a arma mais saudável e segura no combate da obesidade.

Leia também: Governo gasta R$ 3,89 ao dia na saúde de cada brasileiro

Você pode se interessar por:

IRPF 2016 para profissionais da área de saúde

Curso de Tireóide

150 frederico rangel

Dr. Frederico Rangel

ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA

Comentários