0

TDAH: acometimento dos olhos?

06/06/2016 20:27 - Equipe Área do Médico

O exame da retina pode auxiliar no diagnóstico de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), mostra uma nova pesquisa.

Confirmando um estudo prévio, pesquisadores observaram que pacientes com TDAH não tratado possuem um “ruído de fundo” elevado na eletrorretinografia por padrão (PERG), comparados com controles saudáveis.

Eles agora relatam que o ruído elevado normaliza com o tratamento do TDAH, com padrões de PERG semelhantes aos controles saudáveis.

O Dr. Emanuel Bubl, do Department of Psychiatry and Psychotherapy, Saarland University na Alemanha, relatou os primeiros achados no Encontro Anual de 2016 da American Psychiatric Association (APA).

Correlação neural com TDAH?

“Existe uma evidência crescente para uma relevância especial do ruído de fundo, ou atividade neural não dirigida por estímulo, no TDAH”, disse o Dr. Bubl ao Medscape. “Os achados de estudos animais assim como pesquisas em humanos apoiam essa linha de pensamento, e nossos resultados dão suporte direto aos achados das pesquisas básicas, o que é instigante”.

A PERG – que é como um eletrocardiograma (ECG) da retina – fornece uma medida eletrofisiológica da atividade das células ganglionais da retina. “A grande força em se investigar a retina é que você está avaliando uma rede local, para qual você tem um bom acesso. Nós gostamos de comparar com um ECG do olho”, disse o Dr. Bubl.

Os pesquisadores utilizaram a PERG para medir a resposta para a retina a um estímulo visual com padrão de tabuleiro de xadrez em 20 pacientes com TDAH e 20 controles saudáveis. Os pacientes com TDAH foram testados antes e depois do tratamento com metilfenidato.

O ruído neuronal antes do tratamento foi maior no grupo do TDAH que no grupo controle e esteve significativamente correlacionado com a falta de atenção medida pela escala Conners' Adult ADHD Rating Scales (CAARS), descobriram os pesquisadores. O tratamento com metilfenidato normalizou o ruído de fundo elevado em pacientes com TDAH.

Os dados suportam que o ruído de fundo elevado está associado com TDAH e apontam para uma correlação neural com o transtorno, dizem os pesquisadores.

A medicação para TDAH reduz efetivamente a distração e melhora a atenção, e estudos animais sugerem que um mecanismo básico de ação é a redução do ruído neuronal ou aquecimento de fundo, explicou o Dr. Bubl em sua apresentação.

“Trabalho promissor”

“Existe uma pesquisa incrível sobre correlações neurais no TDAH, com foco na alteração do sistema dopaminérgico em diferentes regiões cerebrais”, disse o Dr. Bubl ao Medscape. “Junto com outros achados, se obtivermos mais evidências para um ruído elevado em retina no TDAH, acho que essa é uma ferramenta promissora”.

“Em oftalmologia”, acrescentou, “a PERG é um instrumento diagnóstico padrão, que se provou de grande valor na prática clínica. Em psiquiatria, é uma ferramenta de pesquisa do momento. No entanto, nossos resultados apoiam pesquisas adicionais para explorar seu potencial como ferramenta clínica no futuro”.

O Dr. Chandra Sripada, do departamento de Psiquiatria da University of Michigan, Ann Arbor, que não esteve envolvido no estudo, disse que “os resultados parecem muito interessantes, mas o tamanho da amostra foi pequeno”, alertou. Ainda assim, “eu diria que é um trabalho promissor e aponta para a necessidade para trabalhos futuros nessa área”, acrescentou.

O estudo não teve financiamento comercial, e os autores não declararam relações financeiras relevantes.

TDAH: acometimento dos olhos? Medscape. 06 de junho de 2016.

Leia também: CFM leva demandas de combate ao desaparecimento de crianças à Embaixada Britânica

Você pode se interessar por:

Minicurso: aprenda o passo a passo sobre abertura e fechamento do protocolo de morte encefálica

Os 10 passos para um bom exame neurológico

White icon 9a69e8f4e14534923dfbeae056bdb8e0921fc2fd3aeeed8bef94503484eb74c3

Equipe Área do Médico

Comentários